Outro exemplo de crime de bitcoin está nos livros. Desta vez, o culpado é potencialmente um homem russo chamado Egor Igorevich Kriuchkov que procurou pagar ao empregado de uma empresa sediada em Nevada $1 milhão em bitcoin para instalar malware na rede da empresa.

Kriuchkov está sendo realizado atualmente para aguardar o julgamento

Kriuchkov entrou nos Estados Unidos com um visto de turista e através de um passaporte russo. Inicialmente, ele se reuniu com o funcionário da empresa várias vezes antes de iniciar o plano, de acordo com uma declaração emitida pelo Departamento de Justiça. A organização explica:

Kriuchkov prometeu pagar 1 milhão de dólares ao empregado após o malware ter sido introduzido. No seguimento da conspiração, Kriuchkov forneceu ao empregado um telefone com queimador e instruiu-o a deixar o telefone com queimador em modo de avião até depois de o dinheiro ter sido transferido.

As coisas não correram como planejado, pois o funcionário foi rápido em notificar o Federal Bureau of Investigation (FBI) sobre as circunstâncias. A organização contactou então o conspirador russo de 27 anos, que acabou por fugir de Las Vegas, Nevada, para Los Angeles, Califórnia, ao ser contactado sobre informações relativas ao incidente. Ele então solicitou a um colega associado que comprasse um bilhete de avião para ele, para que pudesse sair do país.

Kriuchkov e seus colegas conspiradores procuraram inicialmente instalar o malware na rede da empresa para que pudessem ter controle sobre ele. A partir daí, eles ameaçariam a empresa e se comprometeriam a tornar públicos os dados dos clientes que ela possuía, a não ser que ela bifurcasse o resgate que eles estavam pedindo.

Desde então, Egor tem sido acusado de uma conspiração para „causar intencionalmente danos a um computador protegido“, de acordo com a declaração oficial do Departamento de Justiça. Uma prisão foi feita em 22 de agosto deste ano em L.A. Ele já compareceu ao tribunal para uma audiência inicial e desde então tem sido detido para aguardar o seu próximo julgamento.

O Departamento de Justiça afirma:

As acusações e alegações contidas numa queixa são meras acusações. O réu é presumido inocente, a menos que e até prova em tribunal, para além de uma dúvida razoável.

Será que o Crime Bitcoin vai acabar alguma vez?

O Bitcoin tende a atrair crimes de todos os tipos em todo o mundo. Entre os casos mais recentes envolveu um esquema de Twitter que viu o sequestro de várias contas de alto nível, incluindo o ex-presidente Barack Obama, seu vice-presidente Joe Biden, o fundador e executivo da Microsoft Bill Gates e SpaceX e Tesla chefe Elon Musk. Essas contas estavam repletas de mensagens falsas que prometiam dobrar todo o dinheiro digital que era enviado para endereços de bitcoin anônimos.

No entanto, o dinheiro não foi duplicado. Foi simplesmente enviado para as mãos daqueles que tinham ultrapassado as contas. No total, cerca de $121.000 em bitcoin foram tirados de vítimas insuspeitas. Graham Clark – um jovem de 17 anos com um histórico de fazer acrobacias como esta no passado – foi desde então preso e acusado do crime.